Medidas de apoio micro, PMEs

Medidas de apoio a micro e PMEs no contexto COVID – 19

Cara(o) Associada(o),

A Associação dos Comerciantes do Porto, em parceria com a Dinamizar, irá promover, já na próxima segunda feira, dia 16 de março de 2020, pelas 16:30 horas, uma sessão de esclarecimento, não presencial, a todos os empresários sobre as medidas de apoio a Empresas e Trabalhadores no âmbito da crise provocada pelo COVID – 19.
Oportunamente será partilhado o link, de modo a poder aceder e participar, na sessão de esclarecimento.

Partilhamos aqui o resultado obtido na Comissão Permanente de Concertação Social, de onde saíram as medidas para implementação, a serem devidamente esclarecidas na sessão.
REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CPCS

MEDIDAS RELATIVAS AO COVID-19

1. Tesouraria das empresas
1.1 Linha de Crédito

O Governo decide criar uma Linha de Crédito para apoio à tesouraria das empresas no contexto do COVID-19.

A Linha de Crédito tem o montante de 200 Milhões de euros e é destinada a microempresas e PMEs, com as seguintes condições financeiro) i) plafond máximo por empresa de 1,5 milhões de euros; ii) garantia até 80%, com contragarantia de 100%; iii) bonificação total da comissão de garantia.

A Linha de Crédito destina-se a micro, pequenas empresas e estará disponível a partir do dia 12 de Março.

1.2 Sistemas de incentivo às empresas

As mudanças promovidas no âmbito dos sistemas de incentivos abrangem os seguintes domínios:

  1. Aceleração de pagamento de incentivos: Liquidação dos incentivos no mais curto prazo possível dos pedidos de pagamento apresentados pelas empresas afetadas, podendo ser efetuados, no limite, a título de adiantamento. Estes adiantamentos serão posteriormente regularizados com o apuramento do incentivo a pagar pelo organismo intermédio, sem qualquer formalidade adicional para os beneficiários.

  2. Diferimento de amortizações de subsídios reembolsáveis do QREN e PT2020; Diferimento por um período de doze meses das prestações vincendas até 30/09/2020 relativas a subsídios reembolsáveis atribuídos no âmbito de sistemas de incentivos do QREN ou do PT, sem qualquer encargo de juros ou outra penalidade para as empresas beneficiárias. Este período poderá ser estendido em função da avaliação da situação. O acesso será permitido a empresas com quebras de volume de negócio, um período de três meses, superior a 20% face ao período homólogo.

  3. Elegibilidade de despesas suportadas com eventos internacionais anulados; Garantia de elegibilidade de despesas, comprovadamente suportadas pelos beneficiários, relativas a eventos previstos em projetos de internacionalização aprovados pelo PT2020 e não realizados por razões relacionadas com o COVID-19.

Paralelamente, o Governo avaliará, após o controlo da epidemia, o impacto da mesma sobre a capacidade de concretização de objetivos contratualizados no âmbito dos sistemas de incentivos, para efeitos de eventual ajuste dos mesmos, mas desde já declara que não considerará incumprimentos pela não concretização de ações ou metas em razão da pandemia.

1.3 Moratória no cumprimento de obrigações fiscais

O Governo irá prorrogar o prazo de cumprimento de obrigações declarativas e fiscais.
Serão executadas as seguintes medidas com efeito imediato;

  1. Adiamento do 1º.PEC de 31 de Março para 30 de Junho;
  2. Prorrogação da entrega do Modelo 22 (Declaração de IRC+Pagamento/acerto) 31 de Julho;
  3. Prorrogação do 1º pagamento por conta de 31 de Julho para 31 de Agosto;
  4. Reforço da informação sobre os serviços eletrónicos que podem ser utilizados pelos contribuintes em alternativa à ida presencial aos serviços de finanças.

1.4 Aceleração do cumprimento de pagamento pela Administração

O Governo irá determinar que, no âmbito da Lei nº.8/2012, de 21 de Fevereiro, que aprova as regras aplicáveis à assunção de compromissos e aos pagamentos em atraso das entidades públicas, as entidades públicas que tenham assumido obrigações de efetuar pagamentos a terceiros em contrapartida do fornecimento de bens e serviços ou da satisfação de outras condições os efetuem mo mais curto prazo possível.

1.5 Balcão de aconselhamento às empresas

O Governo irá reforçar os gabinetes do IAPMEI, do IEFP e da Segurança Social, do Ministério da Agricultura e do Turismo de Portugal para prestação de esclarecimentos sobre os apoios disponíveis relacionados com o impacto do COVID-19.

O Governo encontra-se também a avaliar medidas de apoio ao relançamento da atividade, designadamente no âmbito do apoio à promoção externa.

2. Trabalho e Segurança Social

2.1 Regime de baixas

Através do despacho nº.2875-A/2020,de 3 de Março, o Governo determinou que o impedimento temporário do exercício da atividade profissional dos beneficiários, reconhecido por autoridade de saúde, no contexto de perigo de contágio pelo COVID-19,é equiparado a doença com internamento hospitalar, para efeitos do Decreto-Lei nº.28/2004, de 4 de Fevereiro, não ficando a atribuição do subsídio de doença sujeita prazo de garantia, índice de profissionalidade e período de espera.

2.2 Simplificação do regime de Lay-off

O Governo irá criar um regime de lay-off simplificado mediante declaração da Administração e de Contabilista Certificado, caso haja suspensão da atividade relacionada com o surto COVID-19 e caso haja interrupção das cadeias de abastecimento globais ou quebra abrupta e acentuada de 40% vendas, com referência ao período homólogo de 3 meses. Este regime prevê retribuição ilíquida ao trabalhador de 2/3 até um máximo de 3RMMG (€ 1.905,00),com duração de um mês prorrogável mensalmente, após avaliação, até um máximo de 6 meses, sendo 70% assegurado pelo ISS e 30% assegurado pelo empregador.

Em simultâneo, será concretizado um regime de lay-of simplificado com formação, que em relação ao supra mencionado regime de lay-off simplificado com formação acresce uma bolsa de formação no valor de 30%x IAS (€131,64),sendo metade para o trabalhador e metade para o empregador (€65,82). Tanto a bolsa, como a formação serão suportadas pelo IEFP.

2.3 Suspensão do pagamento de Contribuições para a Segurança Social, a cargo da Entidade Empregadora

O Governo irá promover uma alteração legislativa no sentido de isentar de contribuições para a Segurança Social as entidades empregadoras que se enquadram nas situações de lay-off simplificado, lay-off simplificado com formação ambos cf.2.2 supra) ou que sejam beneficiárias de incentivo financeiro extraordinário (of.2.5 infra),nos meses da vigência das medidas.

2.4 Plano Extraordinário de Formação e Qualificação

O Governo irá apoiar a formação dos trabalhadores sem ocupação em atividades produtivas por períodos consideráveis, quando vinculados a empresas cuja atividade tenha sido gravemente afetada pelo COVID-19. O apoio, consistirá num apoio à empresa no valor de 50% da remuneração do trabalhador até ao limite da RMMG, acrescida do custo da formação, por sua vez assumida pelo IEFP.

2.5 Incentivo financeiro extraordinário para assegurar a normalização da atividades

O governo irá apoiar o pagamento dos salários na fase de retoma da atividade após encerramento pela Autoridade de Saúde ou findo período de lay-off. Este apoio será suportado pelo IEFP, terá a duração prevista de 1 mês e totaliza, por trabalhador, o valor da RMMG.

Juntos por um comércio mais forte,
O Presidente da Direção,
Joel Azevedo

Ficha do projeto AEP